A Relação entre Refluxo Gastroesofágico e a Flora Bacteriana Intestinal

refluxo

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (6.123 Votos, Média: 5,00 de 5)

Loading...

Médicos e doutores de todo o mundo estão ainda surpresos com a estatística do aumento dos quadros relacionados a doença do refluxo gastroesofágico (também conhecida como pela sigla DRGE). Comparado aos anos 70, o número de quadros já atingiu seis vezes mais ocorrências em todo o mundo.

Diversos culpados são apontados para esse drástico aumento nos casos de refluxo gastroesofágico, dentre eles o gigantesco aumento de consumo de bebidas repletas de carboidratos, além do uso global de medicamentos anti-inflamatórios e principalmente medicamentos com a função de diminuir a acidez gastrointestinal.

Porém, estudos mais recentes indicam a um novo e inesperado culpado em toda essa equação. O desequilíbrio da flora bacteriana em todo o sistema digestório.

A grande maioria das pessoas imagina que toda e qualquer bactéria é nociva para o nosso corpo. Essa ideia é facilmente descartável com um simples exemplo. Nosso corpo é composto de bilhões de células, e para cada célula no nosso corpo, temos 10 células bacterianas. Ou seja, somos muito mais compostos de bactérias que nossas próprias células.

Elas estão presentes nos mais diversos locais, mas um grande foco delas se encontra em nosso sistema digestório, em locais como a saliva, intestino, estômago. Elas dependem de você para viver, assim como você depende delas para sua saúde. Sem as bactérias, você nunca seria capaz de digerir a comida.

As colônias de bactérias no seu intestino são tão incríveis que elas foram um ecossistema dentro de seu corpo. São bilhões de bactérias extraindo os nutrientes dos alimentos e matando as bactérias invasoras. Elas são até capazes de se comunicar com seu cérebro, causando alterações em seu humor e aumento em seu apetite.

A relação entre seu estômago e esôfago e intestino

O sistema digestório do corpo humano é extremamente complexo, e composto de diversas colônias de bactérias em separados trechos, cada um com sua específica função.

Nada costuma ocorrer em separado em seu corpo, se algo está afetando seu estômago, ele terá reflexos em seu intestino e esôfago, e o contrário também é válido. Por isso também, condições que afetam diretamente qualquer um de seus órgãos, irá afetar os outros órgãos, e por consequência, suas colônias de bactérias.

Por um lado, qualquer tipo de doença ou sintoma terá fortes repercussões por todo seu corpo, e poderá ser difícil encontrar a origem do problema. Por outro, é possível facilitar encontrar outros problemas que podem estar acontecendo e você ainda não percebeu.

O melhor exemplo que temos disso é que com o consumo de medicamentos que diminuem a acidez estomacal, pode causar diversas doenças. A verdade é que a acidez estomacal não é responsável somente pela digestão de nossos alimentos, mas também da proteção contra possíveis bactérias que desejam invadir a microbiota intestinal.

Ou seja, ao tomar remédios para acabar com aquela sensação de queimação e gastura estomacal, você estará é deixando a situação mais propensa a ser repetida, além de resultar em um desequilíbrio da sua flora intestinal bacteriana, que aí sim virá a causar refluxos.

Excesso de bactérias também não é bom

É possível também fazer o contrário e causar um incrível aumento do número de bactérias em sua flora intestinal. É muito comum isso ocorrer quando se consome carboidratos.

As bactérias do seu intestino fermentam com muita facilidade açúcar, e isso causa um aumento do crescimento dela. Comer excesso de carboidratos causará então uma grande produção de gases e um aumento da pressão interna do seu intestino.

Esse aumento de pressão interna fará que com o conteúdo interno seja empurrado para fora. Quando a pressão empurra o conteúdo de seus intestinos para baixo, você sofrerá com gases, intestino irritado, constipações e em piores casos diarreia.

Porém, é também possível que a pressão leve o conteúdo de volta para seu estômago e esôfago. Quando isso ocorre, o refluxo é a consequência mais comum, além da sensação de queimação, normalmente relacionada a má digestão.

O erro comum dos médicos

Médicos costumam medicar pacientes que sofrem de refluxo gastroesofágico com remédios que diminuem a acidez estomacal. Isso além de deixar o paciente que já está fragilizado propenso a novas doenças, não ajuda em nada a resolver o quadro atual que ele se encontra.

O ideal é fazer justamente o contrário, medicar para equilibrar ou aumentar a acidez estomacal do paciente para que assim a flora intestinal não esteja nem em excesso, nem em falta.

É muito comum recomendar a limitação de diversos alimentos, que costumam ser bem cotidianos em nossa vida. O consumo de laticínios e carboidratos pode ainda atrapalhar no balanceamento da flora intestinal, mesmo com o consumo de medicamentos para aumentar a acidez estomacal.

Para saber esse o procedimento é necessário, fazer um exame especial. Gastrocopia não chega tão longe em seu esôfago, e colonoscopia somente alcança parte de seu intestino grosso. Para conseguir diagnosticar qualquer problema com as bactérias no seu intestino delgado, você terá que fazer um teste simples após beber uma solução açucarada.

Quando consumido, as bactérias irão digerir o açúcar em hidrogênio e metano, que então irão aparecer em um simples teste, feito semelhante a um bafômetro.

Agora, caso você tenha recebido o diagnóstico de refluxo e sofra com os incômodos que ele causa, saiba que existem maneiras naturais de balancear sua flora intestinal mesmo sem a necessidade de medicamentos.

Quer saber mais? Conheça o livro Vencendo a Azia, um curso totalmente online que te explicará passo a passo como lidar com seus problemas gastrointestinais!